Telefone
São Paulo (11) 3191-5000
Ribeirão Preto (16) 3441-1189

A OMA na mídia

Onde reciclar garrafas de vidro

O vidro é considerado uma das criações mais antigas ainda usadas atualmente. Ele constitui não só garrafas, mas também janelas, bulbos e tubos de lâmpadas

Está pensando em reciclar as garrafas de vidro que estão se acumulando em sua casa e não sabe onde descartá-las? Além dos coletores dispostos na rua, existem as cooperativas de reciclagem, pontos de entrega voluntária (PEVs), supermercados e locais de venda dos produtos. Lembre-se sempre de optar pelo descarte consciente, respeitando o meio ambiente!

O que poucos sabem é que existem alguns tipos de vidros não recicláveis. Felizmente, não é o caso das garrafas de vidro.

Os vidros comuns (com os quais as garrafas são feitas), chamados de sodo-cálcicos, são constituídos basicamente de dióxido de silício, óxido de sódio, óxido de cálcio (confere a propriedade de cristal), óxidos de alumínio e magnésio (elementos que dão a propriedade de resistência) e óxido de potássio.

Para fazer os vidros coloridos são adicionados alguns metais de transição e os lantanídeos, que, dependendo do seu estado de oxidação, da concentração e do tratamento térmico a que foi submetido, determinarão a cor do vidro.

Como é feito?

Para produzir o vidro, alguns materiais, como areia, sódio, cálcio e outros componentes químicos são misturados; em seguida, essa mistura é levada ao forno, onde permanece até fundir, podendo chegar à temperatura de 1500°C. E, de lá, sai com uma aparência viscosa.

Então essa mistura é colocada em um primeiro molde, que dá o seu contorno inicial de garrafa de vidro. Em seguida, ela é colocada em um molde final e é injetado ar no seu interior, fazendo com que a mistura viscosa ganhe o contorno definitivo. Por fim, deixa-se resfriar o material por uma hora. Depois desse período, o vidro já está pronto para ser utilizado.

Como os plásticos, certos tipos de aditivos também podem ser adicionados ao vidro para proporcionar novas propriedades: a cor das garrafas, por exemplo, é feita com a adição de vários tipos de óxidos, como o óxido de cobalto e o cobre, que conferem uma tonalidade azulada. A coloração não serve apenas para adicionar uma estética agradável, pois o uso de certas cores pode impedir que determinadas radiações solares (na faixa do infra-vermelho e na faixa do ultra-violeta) atravessem o vidro, sem que a qualidade do produto embalado seja seriamente comprometida. Dentre as cores que possuem essa propriedade, podemos citar a cor âmbar, das garrafas de cerveja; e verde, das garrafas de vinho.

Como reciclar?

O vidro precisa de quatro mil anos para se decompor e, para produzi-lo, são necessários 1,3 mil quilos de areia, porém, ele é 100% reciclável. No processo de reciclagem, uma quantidade 70% menor de energia é consumida, a emissão de poluentes atmosféricos é reduzida em 20% e o uso de água diminui em 50%. Porém, dados de 2011 apontam que apenas 47% de vidros foram reciclados no país.

Ainda encontram-se muitas desvantagens para a coleta seletiva. As cooperativas de reciclagem, por exemplo, veem o vidro menos atrativo do que outros materiais, devido ao seu peso elevado, e também por ser um material cortante e possuir um valor de mercado bem menor que o do plástico, do papelão e do alumínio.

Na reciclagem de garrafas de vidro, se estiverem inteiras, elas devem ser lavadas; caso estejam quebradas, embrulhe os cacos com jornal ou plástico bolha, para que a cooperativa, ou quem for manuseá-las, não se machuque. Também recomenda-se que os cacos de vidro não sejam misturados com terra ou sujeira.

Para ajudar no processo de reciclagem, é recomendável separar o vidro por cor, facilitando a distinção dos materiais para as empresas de reciclagem, e também é aconselhável remover as tampas e os rótulos, pois podem contaminar o processo de reciclagem e diminuir o valor do material reciclado.

Como funciona?

As cooperativas ou centros de triagem fazem a separação manual das garrafas de bebidas dos outros tipos de vidros. Esse método permite um ganho de eficiência na produção final.

Em seguida, o processo se torna inteiramente industrial: o vidro é refundido e moído em um triturador; depois é colocado em um forno gigante com temperatura em torno de 1000ºC – esse valor é muito menor do que o utilizado na fabricação de um vidro novo, o que implica um ganho energético e uma menor emissão de CO2. Assim, uma utilização de um tonelada de cacos de vidro para a reciclagem permite economizar cerca de 1,2 toneladas de matérias-primas novas.
Fonte: www.ecycle.com.br

Compartilhar