Telefone
São Paulo (11) 3191-5000
Ribeirão Preto (16) 3441-1189

A OMA na mídia

Presidente e fundador da Netimóveis destaca os desafios da consolidação da marca na sua trajetória de 22 anos

O pioneirismo e a inovação estão no DNA da Netimóveis.

No mesmo ano em que o Google completa 19 anos de existência, a Netimóveis comemora seus 22 anos de atuação. O que essas duas empresas têm em comum? A ousadia.

Em outubro de 1995, a Netimóveis iniciava suas operações. A empresa foi pioneira na ideia de fazer uso do compartilhamento de informações no segmento imobiliário, isso mesmo antes da Internet brasileira existir. Hoje a rede reúne importantes imobiliárias credenciadas nas principais regiões do país, como Belo Horizonte, Espírito Santo, São Paulo, Santa Catarina, Bahia, Contagem e Distrito Federal que, ao todo, operam uma carteira compartilhada de mais de 100 mil imóveis.

Nesta entrevista, Ariano Cavalcanti, presidente da Netimóveis Brasil, destaca os principais desafios que marcaram a trajetória de sucesso de uma das principais redes de compartilhamento de negócios do Brasil, confira!

1. A Netimóveis foi pioneira na ideia de fazer uso do compartilhamento de informações no segmento imobiliário, mesmo antes da chegada da internet no Brasil. Qual foi o principal desafio para a concretização dessa ideia?

Na época os maiores desafios foram a cultura e a tecnologia. Chegamos com um conceito novo, entendendo que antes de vender imóveis nós vendemos informação. Com essa perspectiva, compartilhar as informações (as carteiras de imóveis para venda e locação) de empresas concorrentes poderia potencializar os resultados para todos. No entanto, em 1992 ainda não havia uma tecnologia que permitisse esse compartilhamento online, o que se viabilizou somente em 1995 com a regulamentação da internet no Brasil. Vencida a barreira da cultura, convencendo os empresários que juntos seriam mais fortes, a internet permitiu que transformássemos em realidade um projeto que até então era tecnologicamente inviável. Desde 1995 construímos uma plataforma totalmente web, com os dados compartilhados no que hoje chamamos de nuvem. Essa decisão rompeu com as premissas mais tradicionais de T.I., mas nos projetou muito à frente das práticas da época. Estávamos lidando com dois grandes desafios naquele momento: um novo modelo organizacional, a rede, e uma tecnologia absolutamente incipiente, a internet. Tivemos a felicidade de escolher os melhores caminhos. Estabelecemos uma estrutura de governança que abarcou as expectativas de controle e pertencimento dos participantes e optamos por uma plataforma tecnológica que virou referência nacional.

2. O que você destacaria na trajetória dos 22 anos da Netimóveis?

Sem dúvida o que mais sobressai foi a construção de um ecossistema complexo, dinâmico e colaborativo. De um banco de informações compartilhadas, a Netimóveis se tornou um conjunto de sistemas, plataformas operacionais e de tecnologia que a transformou na rede que mais gera negócios no Brasil. Esse ecossistema, aberto e colaborativo, foi capaz de consolidar uma cultura onde o protagonismo individual deu lugar ao protagonismo coletivo. Essa percepção é o segredo da Netimóveis, onde participar, seguindo as regras e protocolos estabelecidos, é claramente mais vantajoso que se acomodar à margem desse processo.

3. A Netimóveis investe muito na qualificação de sua equipe, oferecendo programas contínuos de treinamento e atualização profissional. Qual a importância dessas ações na estratégia da rede?

O sucesso de uma empresa sempre está vinculado à qualidade de suas equipes. A gestão é o segredo e o diferencial de qualquer negócio. Num mundo em que as transformações ocorrem em tempo real, preparar constantemente as pessoas é o núcleo de uma estratégia vencedora. A Unicon, Universidade do Conhecimento Netimóveis, oferece uma grade extensa de cursos presenciais e à distância, que preenchem boa parte das demandas do conhecimento imobiliário. Complementando, o PCN | Plano de Carreira Netimóveis, é uma metodologia de trabalho que, além de estimular a produtividade, é uma contrapartida aos investimentos pessoais na qualificação. 

4. O que valida a efetividade dos negócios compartilhados em rede? É possível explicar um retorno tão expressivo no índice de compartilhamentos entre as associadas?

A Netimóveis é a única rede no Brasil que consegue alcançar (numa média dos últimos 18 anos) índices acima de 70% de compartilhamento de negócios. Isso se deve à construção de um ambiente de escala e inteligência que conseguiu reunir valores que tornaram tudo isso possível. Dentro do ecossistema Netimóveis, temos uma plataforma de CRM que além de medir, controlar e dar transparência às operações, ele é um indutor de negócios, impulsionando as equipes a captarem e venderem mais. E esse ambiente se estende aos clientes, oferecendo um portal líder de mercado em Minas Gerais e no Espírito Santo. O compartilhamento só ocorre em grande escala quando todos se sentem estimulados a participar. Como a Netimóveis é uma empresa meio que, gera lucro nas pontas, o protagonismo é essencialmente coletivo, posto que o sucesso só ocorre com a soma de todas as partes. Isso faz toda a diferença. Essa filosofia de trabalho e esse elenco de serviços é que conferem à Netimóveis a sua liderança no Brasil.

5. No segmento imobiliário, mesmo diante do atual cenário econômico vivenciado no país, a Netimóveis se destaca com resultados em crescimento no número de novas associadas e áreas de atuação. Qual o segredo do sucesso da rede?

Nos últimos 30 meses, tivemos um crescimento acima de 12%.  Em momentos de crise as empresas são mais receptivas a novas ideias. As inovações que surgem diariamente acabam pressionado os empresários a buscarem novas vantagens competitivas e se associarem em busca do fortalecimento das suas posições. Nesse ambiente, os argumentos da rede ganham muita força. As transformações que estão em curso provavelmente romperão com o modus operandi atual. Ao longo desses 22 anos, a Netimóveis destinou boa parte dos seus recursos financeiros e intelectuais em pesquisas e análises do mercado imobiliário. Vimos entregando ferramentas e resultados relevantes para as imobiliárias credenciadas. Essa reputação, fortemente reconhecida pelos seus membros, é o grande segredo do sucesso da nossa rede.

6. Você sempre ressalta a importância da inovação no mercado imobiliário, como você vê essa questão no futuro da Netimóveis? É possível adiantar algumas perspectivas para os próximos anos?

inovação é um dos componentes do DNA da Netimóveis, e somos reconhecidos por isso. Embora a inovação não esteja necessariamente ligada à tecnologia, o surgimento da internet vem produzindo transformações cada vez mais rápidas e baratas. Isso tem exigido do mercado uma nova postura para enfrentar as inúmeras ameaças que surgem todos os dias. Nesse cenário, percebe-se cada vez mais que o cliente não está em busca necessariamente de imobiliárias, mas de serviços imobiliários. Isso pode fazer toda a diferença. Hoje, um nome tradicional e uma sede suntuosa não são garantia de sucesso. Um concorrente menor, com uma boa estratégia online e qualidade no atendimento, pode superar concorrentes bem mais robustos. Saber compreender as novas demandas do mercado será vital. É isso que Netimóveis vem fazendo há 22 anos, desde quando propôs uma nova forma de operar o mercado imobiliário. Mas a inovação é um processo constante e dinâmico, exigindo dedicação e muitos investimentos.

Quando oferecemos um ambiente de inteligência e escala, estamos falando de acesso à inovação e da construção de novas vantagens competitivas. No planejamento estratégico para 2020, a Netimóveis tem como meta entregar diversas ferramentas voltadas para os corretores e operadores de locação. São novos recursos de automação e inteligência artificial para a indução de negócios. Dessa forma, acreditamos as nossas imobiliárias poderão alcançar um novo patamar e transformar as ameaças numa oportunidade de consolidação no mercado.

7. Quais são suas expectativas para o mercado imobiliário em 2018? Acredita em estabilização?

Existem inúmeros desafios ainda. Os cenários político e econômico estão indefinidos, sobretudo no que tange o déficit primário federal. No entanto, a economia parece descolar gradativamente dessa realidade, o que demonstra inequivocamente um sinal de vigor. O mercado imobiliário depende fundamentalmente de taxas de juros baixas e crescimento da renda. A renda nominal não está crescendo, mas o endividamento das pessoas físicas e jurídicas vem caindo, o que já é um alento. Na outra ponta, a Selic promete encerrar 2017 a 7% ao ano, o que já muda bastante as coisas. Nesse patamar, a Selic efetiva ficará em 0,57% ao mês, o que recoloca o imóvel no alto do pódio. São ingredientes que podem reconstruir um ciclo virtuoso para o mercado, onde a locação pode superar os rendimentos do mercado financeiro e o acesso aos financiamentos ficam mais viáveis. Esse ano alguns segmentos já apresentaram crescimento no volume de vendas. As locações residenciais vêm registrando crescimentos relevantes. Com esse cenário, parece razoável prever que 2018 será melhor. Alguns investidores já perceberam isso e estão se antecipando a esse movimento.

 

Fonte: Blog Netimóveis

Compartilhar