Telefone
São Paulo (11) 3191-5000

A OMA na mídia

Retrofit e valorização imobiliária

Modernização de edifícios é uma alternativa à escassez de terrenos em regiões centrais e bem aparelhadas

O termo em inglês significa reforma, mas o conceito atual do retrofit é “colocar o antigo em boa forma”, de modo a adaptar, modernizar e embelezar um edifício antigo, preservando sua memória e história.

Nos grandes centros urbanos como São Paulo, a escassez de terrenos para a construção de novos empreendimentos impulsiona o crescimento do retrofit, aliado à vontade de morar e trabalhar em regiões centrais e bem aparelhadas.

O retrofit é comum e antigo na Europa, sobretudo em razão da rígida legislação para preservação de patrimônio arquitetônico. Estudos apontam que o retrofit bem planejado e executado pode representar uma valorização imobiliária de até 50% em relação ao preço atual, sem falar no ganho estético, funcional, tecnológico e de sustentabilidade.

De tão bom negócio, já existem empreendedores e incorporadoras que compram edifícios inteiros, em localização privilegiada, executam o retrofit integral e vendem as unidades, tal qual um condomínio novo.

É incrível o orgulho e a satisfação dos proprietários de apartamentos em edifícios retrofitados, não só pela valorização, mas especialmente pela possibilidade de morar no bairro de sua preferência, num imóvel com história, alma e identidade.

O primeiro passo para o retrofit é debater a ideia em assembleia geral, que autorizará o início dos estudos.

Em seguida, o condomínio precisa contratar arquiteto e engenheiro para a elaboração dos projetos, consultas na prefeitura, corpo de bombeiros e demais órgãos.

Depois, o projeto precisa ser aprovado em assembleia (assim como pela prefeitura). Após a execução, dependendo das alterações, é necessário modificar a documentação imobiliária no registro de imóveis, inclusive convenção de condomínio.

Mas a maior dificuldade para fazer o retrofit é a necessidade de aprovação por unanimidade dos condomínios. Basta que um único proprietário não aprove a reforma, para frustrar os planos dos demais vizinhos.

A unanimidade exigida por lei não é dos presentes na assembleia, mas sim da totalidade dos proprietários. Assim, o primeiro e maior desafio é o trabalho de convencimento dos condôminos desanimados.

Fonte: Folha de S. Paulo

Compartilhar