Telefone
São Paulo (11) 3191-5000

A OMA na mídia

Pets em apartamento – Dicas para um ambiente seguro e saudável

Para criar um animal de estimação em apartamento é preciso se atentar ao ambiente em que ele viverá, e se terá espaço e atividade adequados; confira dicas do especialista em comportamento animal Cleber Santos

No Brasil, existem mais de 500 milhões de cães e 200 milhões de gatos de estimação. Os números são de pesquisa do Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), realizada em 2016. Os pets hoje são considerados por muitos tutores como membros da família e, por isso, é necessário dar a eles um tratamento adequado, prezando por conforto e segurança.
“A moradia é um dos principais fatores que influencia os brasileiros na hora de adquirir ou adotar um animal, já que muitas pessoas vivem em condomínios ou em casas que não possuem grandes espaços, o que causa a preocupação com o bem-estar do pet”, explica o adestrador e especialista em comportamento animal Cleber Santos, proprietário da ComportPet.
Crédito: iStock
No entanto, de acordo com o especialista, é possível ter um pet com segurança e de forma saudável, mesmo morando em apartamento. “O tutor precisará adaptar sua rotina para proporcionar ao animal a atividade e o espaço que ele precisa, seja com passeios pelo bairro, em parques, ou até mesmo recorrendo a um day care (creche para pets). Mas hoje as opções são muitas”, explica Cleber.
Para ele, investir em uma casa grande com quintal não é mais um pré-requisito para ter um animal de estimação. “Com o crescimento do setor pet no Brasil, é possível proporcionar um lar confortável e uma vida saudável, mesmo que o lugar seja pequeno”, avalia ele.
Abaixo, ele lista dicas para quem tem pet e vive em condomínio:
Organize o ambiente de forma segura
Para garantir a segurança do animal, principalmente em ambientes altos, antes de mais nada é preciso verificar todas as janelas/varandas do apartamento e descobrir até onde o animal terá acesso. “O ideal é instalar redes de proteção para manter os pets fora de perigo, e isso não só para gatos, como também para cães. As redes trazem segurança para o pet correr e brincar pelo ambiente”, diz.
Outra dica, de acordo com o especialista, é deixar o piso sempre limpo e longe de qualquer objeto potencialmente perigoso que possa ser ingerido. “Manter plantas, alimentos, revistas e sapatos em locais altos, fora do alcance do animal, também é importante”, pontua Cleber.
Crie uma rotina de exercícios para o pet
Os apartamentos muitas vezes são pequenos, e alguns condomínios não têm área de lazer adequada para o pet, ou não permitem a circulação de animais. Mas o especialista alerta: isso não é desculpa para deixar seu cão sedentário e estressado.
“É necessário criar uma rotina de atividades, para que o seu animal se exercite de forma divertida.  Mesmo dentro do próprio apartamento, é possível entreter o animal e fazer com ele brinque e se exercite, aliando petiscos as brincadeiras”.
“Além disso, antes de comprar ou adotar um bicho de estimação, certifique-se de que poderá passear com o animal ao menos duas vezes ao dia para que ele faça suas necessidades e não cause problemas dentro da casa”, esclarece.
Além dos passeios diários, visitas mais longas a parques, praças e outros locais onde o cão possa correr e se exercitar são bem-vindos. “O tutor deve ter em mente que o animal precisa gastar energia, e também conviver com outros cães. Caso o dono não tenha disponibilidade, vale considerar investir em um day care, ao menos algumas vezes na semana. O cão irá brincar, ter atividades adequadas e conviver com outros cães, voltando para o apartamento muito mais relaxado”.
Escolha o piso adequado
Se você pretende ter um animal no seu apartamento, antes de trazê-lo para o lar, é recomendável verificar qual o piso mais adequado, que não irá fazer barulho conforme eles andarem ou correrem pelos cômodos, nem prejudicar o pet.
“Sugiro investir em piso de cerâmica que, além de diminuir os ruídos, também proporcionam maior facilidade na hora da limpeza, caso o cachorro solte muito pêlo, por exemplo”, diz o especialista.
Outro ponto importante é que deve-se evitar pisos muito lisos e escorregadios. “Além de causarem acidentes, esse tipo de piso força o cão a fazer um esforço muito grande nas articulações para manter o equilíbrio em tarefas simples, como sentar ou se levantar. Segundo estudos, isso pode causar displasia coxo-femural, que afeta as articulações e é muito dolorosa, ou agravar casos já existentes da doença”, alerta  Cleber.
Reserve um espaço para o animal
Mesmo que o lar seja pequeno, o pet precisa ter um espaço específico com seus objetos e acessórios, para manter uma disciplina. Deixe os brinquedos, potes de comida e caminha em seu devido lugar, para que ele entenda onde fica cada um.
“Incentivar os animais e interagir com eles por meio de brincadeiras e recompensas são ótimas dicas para não deixá-los entediados e estressados no apartamento, principalmente se passarem muitas horas no ambiente”, diz.
Respeite os vizinhos
Nem todo mundo gosta de conviver com animais de estimação. Por isso, latidos e barulhos excessivos podem incomodar os vizinhos. “É responsabilidade do tutor fazer com que a convivência com o animal em áreas comuns (elevador, jardim, hall) não prejudique a rotina dos demais moradores do prédio”.
“Alguns cachorros costumam latir muito e podem causar problemas com os vizinhos e até com a administração do condomínio. Nestes casos, indico procurar um especialista que treinará o cão para que fique mais tranquilo, principalmente quando ficar sozinho no apartamento”, comenta o especialista.
Cleber Santos
Sobre Cleber Santos – Especialista em comportamento animal, atua como adestrador de cães há 12 anos, quando cuidava do canil de treinamento durante o serviço militar. Trabalhou para grandes canis do interior de São Paulo, treinando cães de policiais de todo o Brasil. Além da experiência profissional, fez diversos cursos, estágios e especializações, inclusive em outros países – Canadá, Estados Unidos, Argentina, Chile e Alemanha. Desde 2010, está também à frente da ComportPet, centro que oferece consultoria comportamental, adestramento e serviços de hotelaria e creche, além de atendimento veterinário, estética animal e terapias alternativas para pets, como a musicoterapia. É um dos únicos profissionais do Brasil que também adestra gatos, e vem sendo requisitado como adestrador de pets de famosos, entre eles o DJ Alok.
Fonte: Guia do Bebê

Compartilhar