Telefone
São Paulo (11) 3191-5000

A OMA na mídia

Top Imobiliário 2019: números mostram crescimento do mercado

Uma em cada três unidades residenciais lançadas no Brasil inteiro está em construção na cidade de São Paulo, o maior mercado imobiliário do País. Em 2018, ano base da premiação do 26º Top Imobiliário, os lançamentos somaram 32,8 mil apartamentos na capital paulista para um total de 98,6 mil espalhados pelo território nacional, com base nos dados do Sindicato da Habitação (Secovi).

Ocorreu um “boom” no quarto trimestre, que concentrou a maioria (56%) dos lançamentos de novos prédios em São Paulo. Para o presidente do Secovi, Basílio Jafet, o mercado imobiliário saiu fortalecido de 2018 para se consolidar neste ano. Os números, segundo ele, são indicativos da trajetória de retomada.

Considerando-se o ano passado inteiro, os imóveis de alto padrão chamaram a atenção. Apartamentos com valor superior a R$ 1,5 milhão registraram o maior crescimento porcentual, com 2.134 unidades lançadas – número 142% superior às 882 unidades de 2017. Nesta faixa de preços houve a maior variação nas vendas, com 1.626 unidades comercializadas em 2018, alta de 123% sobre os 729 apartamentos do ano anterior.

Divulgada neste mês, a última pesquisa do Secovi aponta o total de 39,6 mil imóveis novos lançados em 12 meses (de maio de 2018 a abril deste ano), o que dá a média de 3,3 mil unidades/mês. “Olhando só os números, vemos claramente uma tendência de crescimento”, afirma o diretor da Embraesp, Reinaldo Fincatti. Parceira do Estadão no prêmio Top Imobiliário, a Embraesp identifica os maiores operadores do mercado em três categorias: Incorporadoras, Vendedoras e Construtoras.

“A outra face da moeda são a persistência do desemprego, contínua perda de renda das famílias e o adiamento das decisões de investimento”, diz Rodrigo Luna, diretor da Plano&Plano, a líder no ranking das incorporadoras nesta edição do Top Imobiliário. Para ele, a retomada do setor depende da melhoria na economia.

Bicampeã na categoria das construtoras do Top Imobiliário, a Tenda – como a Plano&Plano – atua exclusivamente no programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), destinado a moradias de baixa renda. No ranking das vendedoras, a consultoria imobiliária Lopes foi a vencedora, com 40% dos seus lançamentos atrelados a produtos do MCMV.

Com participação crescente nos últimos três anos, os imóveis populares foram o motor do setor em meio à crise, chegando a 44% do total de unidades residenciais lançadas em São Paulo em 2018. Foram 14,4 mil moradias de baixa renda.

São Paulo é o único mercado com “sinais claros e efetivos” de retomada, diz Claudio Hermolin, presidente da Brasil Brokers Participações, que controla as imobiliárias Abyara e Brasil Brokers, também premiadas. “Nas outras regiões do País ainda são incipientes os sinais”, analisa. “Os imóveis econômicos do MCMV passaram ao largo da crise, porque a demanda é enorme.”

Plano&Plano, Tenda e Lopes formam trio campeão

Prêmio identifica maiores operadores do mercado com base em todos os lançamentos da região metropolitana de SP

No 26º Top Imobiliário, Plano&Plano é a líder das incorporadoras e Tenda a bicampeã das construtoras. Ambas têm produção exclusivamente voltada para o programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), destinado ao segmento de moradias populares. A consultoria imobiliária Lopes venceu, mais uma vez, entre as vendedoras.

Nas três categorias, o prêmio classifica as dez empresas que apresentaram os maiores volumes de lançamentos na Região Metropolitana de São Paulo, conforme os dados registrados pela Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp). Nesta edição, 202 incorporadoras, 174 construtoras e 217 vendedoras disputaram o topo do ranking.

O valor geral de vendas (VGV) lançado, número de empreendimentos, de blocos, total de unidades residenciais e área em metros quadrados são os cinco itens aferidos. A Embraesp faz a ponderação, com pesos diferentes para os três segmentos, obtendo como resultado um “número puro”, que define a colocação no ranking.

O prêmio identifica os maiores operadores do mercado em São Paulo, atesta o engenheiro Reinaldo Fincatti, diretor da Embraesp. “São números reais de cada concorrente.” É um balizamento para a indústria imobiliária.

A Tenda, Plano&Plano e a Cury, que também é voltada para o segmento de baixa renda, ganharam troféu nas três categorias. Ao todo, foram 19 empresas premiadas nesta edição do Top Imobiliário.

Só MCMV

As duas campeãs, mais a MRV Engenharia, líder nacional no segmento de imóveis econômicos, e a Econ, especializada em habitação social, ocupam as primeiras quatro posições nos rankings tantos das construtoras como das incorporadoras.

Em 2018, ano base da premiação do 26º Top Imobiliário, chegaram ao mercado da capital paulista 32,8 mil novos apartamentos. Segundo o Sindicato da Habitação (Secovi), 44% dos lançamentos (14,4 mil) são imóveis econômicos com preço até R$ 240 mil, o teto do MCMV.

Indicativo

Para o presidente do Secovi-SP, Basilio Jafet, os números indicam uma retomada do mercado imobiliário de São Paulo. Além do aumento de 4,4% nos lançamentos no último ano, as vendas subiram 27%, chegando a 29,9 mil imóveis novos em 2018.

Apesar da lenta retomada da economia, do rebaixamento constante da previsão do Produto Interno Bruto (PIB) e do alto índice de desemprego, os lançamentos imobiliários cresceram mais neste ano.

Divulgada neste mês, a última pesquisa do Secovi aponta o total de 39,6 mil imóveis novos lançados em 12 meses (de maio de 2018 a abril deste ano), o que dá a média de 3,3 mil unidades/mês. Os números repetem o maior volume em unidades (com mais de 39 mil imóveis) registrado em 2007, de acordo com o Secovi.

Na avaliação do Secovi, o mercado imobiliário da cidade de São Paulo apresenta certo descolamento da instabilidade da economia e se apoia na demanda represada dos últimos anos.

O problema é que grande parte do crescimento está atrelada ao MCMV, o que, segundo o Secovi, influencia negativamente o resultado do valor geral de vendas, porque os preços dos imóveis são mais baixos.

Jafet defende a aprovação da reforma da Previdência para equilibrar as contas públicas do governo e estimular retorno dos investimentos, assegurando condições para o desenvolvimento econômico e permitir que o setor volte a produzir em sua capacidade máxima.

Fonte: www.terra.com.br

Compartilhar